Hérnias musculares

Nossos músculos são revestidos por uma camada de tecido fibroso chamada fáscia. Suas fibras de tecido colágeno são intimamente conectadas às fibras musculares e conferem proteção, deslizamento e a forma como o músculo se apresenta.

A fáscia pode sofrer microlesões durante a vida, fragilizando a sua capacidade de resistir às tensões e culminando com o aparecimento de pequenas fendas, que podem aumentar de tamanho com o tempo. Estas fendas permitem a passagem parcial e o aprisionamento de algumas fibras musculares, o que caracteriza uma hérnia muscular.

Nos membros inferiores, as hérnias musculares são mais frequentemente encontradas na musculatura da perna (gastrocnêmios, fibulares e tibial anterior), além da coxa.

Os sinais e sintomas mais frequentes são: presença de nódulo isolado na superfície do músculo, deformidade muscular, dor localizada aos esforços físicos e sensação de aumento exagerado da tensão muscular. As hérnias maiores são palpáveis e visíveis na superfície da pele.

As causas do aparecimento das hérnias musculares são: genéticas, falhas no desenvolvimento da fáscia muscular, fragilidades da fáscia na região de penetração dos vasos sanguíneos, ferimentos cortantes profundos (pele, subcutâneo e músculo), cirurgias prévias e treinamentos intensos.

A hipertrofia muscular exagerada também predispõe ao aparecimento de hérnias musculares, como ocorre nos usuários de esteroides anabólicos.

Grande parte das hérnias musculares não gera sintomas, mas determinadas situações podem ocasionar dor localizada. Os exercícios, como a corrida, podem desencadear dor localizada, que desaparece em repouso. Algumas raras situações podem provocar sintomas dolorosos prolongados, associados a inchaço intenso e limitação de movimentos.

Os exames de imagem, como o ultrassom e a ressonância magnética, permitem a confirmação do diagnóstico, além de dimensionar e localizar a hérnia muscular.

O tratamento inicialmente é conservador, com medicações analgésicas e antiinflamatórias sob prescrição médica. A cirurgia (fasciotomia) é indicada quando o tratamento conservador falha e se caracteriza pela ampliação da área da hérnia, seccionando-se a fáscia. Nunca se deve reparar a fáscia, pois o índice de recidiva da hérnia muscular é elevado.

Bons treinos !

Dr. Cristiano Laurino é Mestre em Ortopedia e Traumatologia pela UNIFESP. Diretor Científico do Comitê de Traumatologia Desportiva da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT). Membro da American Academy of Orthopaedic Surgeons (AAOS). Médico do Clube de Atletismo BM&F/BOVESPA. Diretor Médico da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt).
Share

103 responses to “Hérnias musculares”

  1. olá , eu estava treinando braço , fazendo lateral , e quando soltei os pesos passei a mao no meu braço e tinha uma bolinha bem no meio do bíceps , nao doi , a nao ser c eu estico o braço para traz , ou c aperto a bolinha , , já passei pomada , gelo , ela diminuiu um pouco , mas msm assim estou com medo de treinar por isso , o que sera ?

Leave a Reply